segunda-feira, 29 de outubro de 2018

reflexões sobre o que não se vê

a poesia não tem hora, lugar, momento.
acontece, tal como a vida e a morte, em qualquer instante.
e, nesse breve instante, o tempo e o espaço suspendem-se para que o pensamento se liberte e o universo receba palavras que escondem palavras.

P.C. Franco 





sexta-feira, 26 de outubro de 2018

poetry by night

all rights reserved by the author 

all rights reserved by the author 

all rights reserved by the author

terça-feira, 23 de outubro de 2018

textos ao amanhecer #3

A chuva que a noite trouxe limpou as almas que vagueavam em busca de uma lua que não se via.


Pode não parecer, mas caminhar à chuva numa noite sem lua faz-nos lembrar que somos seres mágicos, que outrora éramos unos com as estrelas e os deuses antigos.

Com o passar dos milhares de anos esquecemo-nos de quem somos, de onde viemos, e tornámo-nos seres vazios da essência mágica que nos dá vida e nos acompanha até ao mundo dos nossos antepassados.

É isto que queremos?

Vaguear por ruas e caminhos, com medo do escuro, sempre à procura de uma luz artificialmente criada pelo Homem? Na verdade, não andamos com lanternas mas andamos com telemóveis que têm essa funcionalidade e, ao mínimo sinal de ausência de luz, recorremos a um foco criado por nós. Simplesmente porque deixámos de nos sentir um só ser juntamente com a Natureza, seja ela qual for a que nos rodeia.

E, por isso, estamos a ficar vazios. Da nossa magia. Daquilo que nos define.

A chuva não acalmou mas os primeiros ténues raios de sol começaram a surgir e a sensação de que o dia estava a começar e já se podia respirar de alívio espalhava-se por todo o lado.

A chuva era a mesma. Durante umas horas sob um céu ausente de lua visível, agora sob um sol cinzento.

Mudámos porque nos esquecemos dos nossos antepassados.

P.C. Franco


free use under the Creative Commons CC0